sábado, 11 de março de 2017

A reforma da Previdência é necessária e inadiável


O professor Stephen Kanitz, no artigo abaixo, explica de forma didática, mencionando uma reunião com Lula, a forma irresponsável como o PT tratou as finanças públicas nacionais.


Reformar a previdência é sim necessário. Se a reforma tivesse sido realizada 10 anos atrás, teria sido menos dolorosa e já estaríamos colhendo os frutos.


Somente quem não está familiarizado com cálculos é que pode apregoar que não existe déficit nas contas da previdência. Confundem regime de caixa com regime de competência, porque, evidentemente, nada sabem sobre este assunto. 


O mais triste é constatar o cinismo do "grande líder", manifestado quando se expressou: "já garanti o meu".  É este tipo de pessoa que a esquerda acha que pode conduzir o país. 


As pessoas que não são familiarizadas ou não gostam de matemática querem acreditar que existe dinheiro do Governo. 


Como já dizia Margareth Thatcher, o que existe é o dinheiro dos pagadores de impostos. Desse modo, quando a despesa do governo aumenta, alguém deverá pagar mais impostos para suportá-la. Simples assim.






“Ainda Bem Que Eu Já Garanti O Meu”

MAS E OS JOVENS?





Em 2002 Antonio Trevisan apresentou Lula, candidato, para alguns empresários para discutirmos os problemas nacionais.
Além de mim, reuniu Guilherme Leal da Natura, Walter Appel da Fator, Luis Cesar Fernandes e mais alguém da Klabin, Lula e seu novo assessor Guido Mantega.
Ficamos umas três horas discutindo problemas urgentes, e eu abordei num único assunto.
Reforma da Previdência.
“Em 2006 o déficit da previdência será de 260 bilhões, Lula, e vocês terão somente quatro anos para fazer a reforma urgente.”
Foi aí que Guido Mantega, mais um economista que nada entende de contabilidade atuarial, abriu a boca dizendo:
“Não existe déficit da previdência, não há necessidade de reforma nenhuma.”
Foram esses economistas que destruíram as chances desse Brasil desenvolver e gerar riqueza. Economistas que não sabem a diferença entre Regime de Caixa e Regime de Competência
Guido Mantega acha que as contribuições previdenciárias que vocês fazem, na época 260 bilhões por ano, eram Receitas do governo e não as Dívidas a Pagar que são.
E como as Despesas de previdência eram do mesmo valor, Guido achava que não havia déficit.
Se o PTPSDB, PMDB, PSOL, tivessem se assessorado de contadores, atuários ou até administradores saberiam a verdade.
São 260 bilhões de deficit, sim.
Só que esse déficit era automaticamente financiado por uma dívida a pagar para a nova geração de exatamente 260 bilhões.
É uma Dívida a Pagar Guido Mantega, e não uma Receita Corrente.
E se vocês economistas do PT, PSDB e PMDB tivessem registrado nossas contribuições anuais como Dívidas a Pagar ano após ano vocês teriam pensado duas vezes antes de gastar toda essa grana.
“Guido não é melhor nós investirmos bem essa grana em vez de gastar senão não teremos como pagar essa dívida quando ela vencer?”
Somem 260 bilhões por 30 anos, mais crescimento da população, são 10 trilhões que esses economistas gastaram irresponsavelmente.
Quebraram a Previdência, a sua grana sumiu.
Guido nada disso entendeu, e eu comecei a perder a calma com tanta ignorância.
Foi quando Lula interrompeu:
“Vamos mudar de assunto, mas pelo que o Kanitz está mostrando ainda bem que eu já sou aposentado, pois eu já garanti o meu.”
Eu e os cinco presentes saímos arrasados, mesmo sabendo que era uma piada do Lula.
Não há como “reformar” uma dívida de 10 trilhões, ela é impagável e injusta para a nova geração.

Link para o post original.

Nenhum comentário:

Postar um comentário